[Entrevista] Bernard Guerin em “Uma Análise sobre Saúde Mental e Psicoterapia”

Boletim Contexto ABPMC

Bernard Guerin:  Entrevista para o Boletim Contexto (por Marcela Ortolan):

bg2O professor australiano Dr. Bernard Guerin concedeu a esta entrevista para o Boletim Contexto em que fala um pouco sobre a sua trajetória como pesquisador de comportamentos sociais, as suas relações com a análise do comportamento, o cenários da análise do comportamento na Austrália e na Nova Zelândia, pesquisa comunitária, saúde mental e psicoterapia. Suas reflexões e críticas sobre esses tópicos trazem questões importantes e também alguns pontos polêmicos, como o porquê de ele não realizar mais pesquisas socais em análise do comportamento apesar de utilizar seus princípios.

Read the original interview here.

Leia a entrevista completa a seguir.

Ver o post original 5.662 mais palavras

Anúncios

Saiba em qual revista publicar seu artigo científico

Olá, tudo bem? Você almeja submeter seu trabalho científico a uma revista e não tem ideia pra qual? Pois vou te apresentar uma ferramenta que vai te ajudar a tomar essa decisão: o Edanz Journal Selector.

edans-journal-selector

Ele é bem fácil de usar, basta inserir na caixa de busca as palavras-chave, ou título, ou um pedaço do resumo do seu trabalho, e logo você obterá uma lista de revistas que publicam nas áreas relacionadas. Fiz um teste com um pedaço do resumo da minha monografia do MBA, repara o que consegui:

edans-journal-selector-1

Recuperei uma lista com 500 títulos de {possíveis} revistas para submeter meu trabalho! Ok.. 500 é muito, mas a partir daí você filtra os primeiros resultados, e avalia se público-alvo da revista vai se interessar pelo seu trabalho, assim é bem provável que ele seja aceito… {além de outros critérios, claro!}. 😉

Agora deixa eu te dizer uma coisinha… Reparou que na figura acima, do lado direito tem um filtro? Pois bem… selecionei ali a opção 

Ver o post original 99 mais palavras

Como retardar o efeito do envelhecimento na memória temporal?

Boletim Behaviorista

texto joão.jpg

“Hoje me levantei e depois tomei o café da manhã, em seguida fui para o laboratório. Antes de tomar o café fui ao banheiro. Só posso voltar para casa depois de terminar esse post para o Boletim Behaviorista”. – Lembrar da ordem em que os eventos da nossa vida acontecem pode parecer algo extremamente simples e trivial. Entretanto, a grande frequência com que esse tipo de comportamento acontece mascara sua complexidade. A falta de um registro sistemático e crenças em uma “memória ora prodigiosa, ora incapaz” distorcem muitas vezes nossas descrições sobre o lembrar.

É possível encontrar definições sobre o que é a memória temporal considerando a perspectiva da psicologia cognitiva como a habilidade de “codificar” e “recuperar” o tempo e a ordem dos eventos passados de maneira precisa. Numa interpretação analítico-comportamental, recorremos a instâncias de controle de estímulos para entender como recordamos e descrevemos a ordem de ocorrência dos…

Ver o post original 1.161 mais palavras

Espinosa – o que é psicologia?

Razão Inadequada

Podemos falar de uma psicologia espinosista? Não é fácil responder esta pergunta. Espinosa, durante toda sua obra, esforçou-se para entender a natureza humana, sem idealizá-la, sem julgá-la. Ele se inclinou sobre a fragilidade humana, sobre suas forças e fraquezas e a compreendeu como parte muito pequena e vulnerável da existência. Nós sofremos, nos iludimos, ficamos doentes, nos irritamos, ficamos confusos, choramos, não encontramos saídas mesmo para nossos problemas mais simples; enfim, somos uma parte muito impotente da realidade. Mas uma psicologia, como disse Nietzsche, precisa se prevenir de dois sentimento: compaixão e nojo.

Por isso Espinosa jamais caiu na tentação de idealizar a natureza humana. Para não se decepcionar, utilizando o método geométrico, desenvolveu uma ciência dos afetos. Não estamos doentes, não somos maus por natureza, não somos imperfeitos, nem somos pecadores. Ao pensarmos em uma psicologia de inspiração espinosista, não cabe nem mesmo usar a palavra cura…

Ver o post original 1.424 mais palavras