MECANISMO BIOLÓGICO TRANSMITE “MEMÓRIAS” EPIGENÉTICAS DE LONGO-PRAZO

De acordo com a epigenética – o estudo das mudanças hereditárias na expressão genética não diretamente codificada no nosso DNA – nossas experiências de vida podem ser repassadas aos nossos filhos e aos filhos dos nossos filhos. Estudos sobre sobreviventes de eventos traumáticos têm sugerido que a exposição ao estresse pode realmente ter efeitos duradouros sobre as gerações seguintes. Mas como exatamente são estas “memórias” genéticos passada?

Um novo estudo aponta o mecanismo preciso que transforma a herança de influências ambientais "on" e "off". Crédito: © Sergey Nivens / Fotolia Um novo estudo aponta o mecanismo preciso que transforma a herança de influências ambientais “on” e “off”. Crédito: © Sergey Nivens / Fotolia

Um estudo Tel Aviv University novo aponta o mecanismo preciso que transforma a herança das influências ambientais “on” e “off”. A pesquisa, publicada na revista Cell é liderada pelo Dr. Oded Rechavi e seu grupo TAU’s Faculty of Life Sciences and Sagol School of Neuroscience, e revela as regras que ditam quais as respostas epigenéticas serão herdadas, e por quanto…

Ver o post original 541 mais palavras

CHIMPANZÉS PODEM SER CAPAZES DE COMPREENDER A MENTE DOS OUTROS.

Um experimento com fantasia de gorila revelou que nossos parentes mais próximos podem possuir a “teoria da mente”.

Um chimpanzé no Kumamoto Santuário se prepara para assistir cenários experimentais que irão testar sua compreensão da crença falsa, uma característica da teoria da mente. Crédito: KUMAMOTO santuário, Universidade de Kyoto, JAPÃO Um chimpanzé no Santuário Kumamoto se prepara para assistir cenários experimentais que irão testar sua compreensão de falsa crença, uma característica da teoria da mente. Crédito: Santuário de Kumamoto , Universidade de Kyoto, Japão.

Um chimpanzé, um cientista com uma vara e um investigador em um King Kong pode soar como a instalação de uma piada de mau gosto, mas é de fato a base de um estudo recente que fornece a primeira evidência de que os grandes símios, isto é, bonobos, chimpanzés e orangotangos – possuem uma compreensão de uma falsa crença, uma característica da “teoria da mente”. Esta capacidade de compreender que os outros têm estados mentais e perspectivas diferentes a nossa tem sido considerada única para seres humanos.

Em um estudo publicado na revista Science, uma equipe de…

Ver o post original 1.032 mais palavras

REDES NEURAIS.

De um modo geral, os primeiros mamíferos se apresentavam pequenos, como os ratos, gatos e junto consigo carregando um cérebro relativamente pequeno. Isso ocorreu porque eles eram oprimidos pela presença de grandes bestas no Triássico e no Cretáceo

O hipocampo esta localizado na região dorsal em relação as proporções cerebrais, e ainda persiste muito tempo ao longa da história da vida, alcançando até os mamíferos mais antigos. Eles só foram deslocados lateralmente e inferiormente após o desenvolvimento do córtex. Assim como as amígdalas além de expressarem emoções começaram a apresentar comportamentos de luta e fuga, alerta e vegetativas diante de certas situações que os animais se encontravam e que favoreceram a sobrevivência. Então a partir desse ponto a evolução veio favorecendo o desenvolvimento de um novo córtex cada vez maior e mais conectado de forma direta ou indireta a quase todas as funções do corpo.

Entre estes mamíferos pode ser…

Ver o post original 1.570 mais palavras

PRIMORDIOS NEURAIS.

Estudar o sistema nervoso central não é uma tarefa fácil, muito menos quando se tenta montar a sua trajetória diante dos modelos evolutivos apresentados. O sistema nervoso central faz parte de um tecido mole e não é fossilizado, tornando difícil inferir certas características a determinados animais. No entanto, muitas vezes podemos encontrar crânios fossilizados que apresentam o desenho das regiões dos hemisférios cerebrais. Essas regiões são denominadas sulcos e giros e que permitem a formação de um endomolde na caixa craniana do animal ou do hominídeo permitindo muitas vezes inferir muitas características sobre esses animais tão preciosos para a ciência.

Esponja do mar

A primeira função do sistema nervoso foi dar adaptar os organismos aos mais diversos tipos de ambientes. Quando um ser unicelular é tocado ele rapidamente  se afasta daquilo que o tocou, ou seja, a primeira estrutura nervosa desses organismos eram a própria parede celular. A capacidade de…

Ver o post original 1.647 mais palavras

NEUROSCIENCE AND PHILOSOPHY MUST WORK TOGETHER. (comentado)

Theories of consciousness are challenged by recent research into the impact of brain function on the sense of self

The brain is made up of a series of interlocking systems. Photograph; Sebastian Kaulitzki, Alamy

Human beings are part of nature. They are made of flesh and blood, brain and bone; but for much of the time they are also conscious. The puzzling thing is how the intricate sequences of nerve cells and tissue that make up a person’s brain and body can generate the special subjective feel of conscious experience.

Consciousness creates, in each of us, an inner life where we think and feel; a realm where we experience the sights, sounds, feels, tastes and smells that inform us of the world around us.

To many philosophers the central problem of consciousness is, how can the facts of conscious mental life be part of the world of facts described by…

Ver o post original 1.474 mais palavras

Pokémon Go: este jeito de viver

Blog da Boitempo

christian dunker pokemon

Por Christian Ingo Lenz Dunker.

A literatura de China Miéville, da qual falei na minha última coluna, trabalha sobre uma duplicidade constitutiva de nossa experiência contemporânea: estamos em um território, mas ele se duplica em espaços de experiência que não se sobrepõem a ele. É a experiência banal de um jantar em família no qual todos estão ao celular. Isso não é apenas a réplica da experiência de Pascal, que nos falava daqueles que participam do rito religioso, mas em silêncio estão a dizer blasfêmias e impropérios. Qualquer professor consegue reconhecer aqueles alunos que estão em sua sala de aula apenas de corpo presente, alguns com a alma liberta a navegar por territórios imaginativos nunca antes experimentados. Hegel diria que essa atitude exprime uma espécie de resistência interna dos vencidos, típica dos estoicos: “por fora me comporto como um escravo, mas por dentro sou livre e senhor…

Ver o post original 1.659 mais palavras